25 de janeiro de 2013

Look you in the eyes

        Eu havia tido um sonho, estávamos deitados em sua cama e você segurava minha mão direita enquanto olhava nos meu olhos. Nenhuma palavra foi dita, e eu me assistia sentada na poltrona enquanto meus olhos, sem piscar, não queriam perder um momento longe dos seus. Nos meus sonhos você sempre me diz adeus, apesar de não dizer palavra alguma. Eu não consigo entender. Na verdade, não quero.
Naquela noite eu pedi pra Deus um sinal, ando me sentindo só, e às vezes é como se todas as pessoas tentassem me sufocar. Por isso me distancio, mas na verdade você sempre foi bom nisso. Eu não me sentia só, nem sufocada. Com você eu apenas sentia.
       Não sei porque tivemos que nos perder no meio do caminho, honestamente eu não queria nunca ter atendido aquela ligação, ou ter concordado com o fato de que você mudou. Mas você realmente mudou. E eu estou te perdendo, por inteiro. 
       A pior forma de terminar é quando ainda há tanto pra viver, mas ainda assim somos obrigados a partir. Levando todas as vontades e todos os sorrisos conosco, numa chance de voltar um dia. A pior forma de terminar é aquela em que somos obrigados a nos afastar por motivos maiores do que uma simples discussão, ou uma traição. Nada se compara ao que mudou em minha vida quando eu finamente entendi que precisava viver enquanto você desfalecia. Eu fui obrigada a continuar enquanto você parava, cada dia mais fraco, cada dia mais longo, mais cansativo. E eu, ainda viva, respirando e deixando a vida apenas passar por mim. Eu preferiria ter passado  todo esse tempo apenas cuidando de você, enquanto a vida apenas continuava, indo sempre em frente.
       Eu queria ter ficado e parado no tempo com você. Mas todos ao meu redor diziam que eu não deveria enlouquecer, que eu precisava crescer e me movimentar. Eles diziam que eu encontraria alguém para amar mais, sorrir mais e me dar aquilo que tu não fostes capaz. Mas e como seria se não tivemos ao menos uma chance? Então não me deixaram ficar, nem cuidar de você. Me fizeram continuar e viver como se tudo estivesse bem, como se esse furacão jamais tivesse devastado o resto de felicidade que me sobrou nessa vida.
       Mas aqui dentro, bem lá no fundo mesmo, as lembranças são vivas, meu amor. Elas ainda colorem meu arco-íris sem cor. E eu ainda nos vejo na última festa dançando, bebendo e deixando a música apenas nos levar. Essa era a melhor parte de estar com você, era tão natural como olhar nos olhos. E bastava apenas isso pra todos os fogos de artifício explodirem dentro do nosso estômago, trazendo aquela sensação de estar feliz sem precisar esforço, sem precisar de moderação. Esse tal você que eu amo já não existe mais, você o deixou enterrado debaixo do travesseiro. Mas eu continuo amando você, talvez seja compaixão ou apenas compreensão. Mas te olhar nos olhos mesmo que apenas nos sonhos, ainda me faz acordar feliz.


2 comentários:

  1. As lembranças são as melhores amigas e as mais cruéis algozes...
    Lindo *-*

    ResponderExcluir
  2. O que se vive é inesquecível quando importa. E mesmo que não seja o final que você escolheu, muitas vezes é o durante que garante a verdadeira felicidade. Entre começos e finais, o meio é onde tudo se desenvolve e se fortalece.

    Grandioso.

    ResponderExcluir