16 de outubro de 2012

In your arms

Sabe quando você ama tanto que não sabe onde guardar tanto amor? É como estar preso e não querer se desprender e mesmo assim lutar pra fugir.

Eu deixo então sorrisos e lágrimas sobre o travesseiro, levo milhões de expectativas e jogo fora todas as chances de ser tua novamente.
Como eu li uma vez em um livro qualquer "o amor sempre deixa marcas significativas", e deixa mesmo. Que é pra nunca esquecer, e sempre antes de fechar os olhos verás o quanto as marcas desse amor deixaram dores em seu peito, e mesmo que isso não lhe dê motivos pra chorar, haverá sempre uma pequena dose de lembranças, e estas vão doer. Digo isso por que guardo mais lembranças do que a sua presença.
Então eu acordo e tomo um café, mais estou sempre sonhando com seu rosto e suas mãos. Estou sempre cantando a nossa canção, tentando silenciar sua voz na minha cabeça.
Mas uma coisa me conforta, eu sempre volto pros seus braços, neles não encontro apenas carne e ossos, encontro abrigo. Um pequeno lugar em que eu posso fechar os olhos e sorrir ou chorar sem precisar fingir dores ou alegrias demasiadamente falsas.
Lugar que mais ninguém soube me oferecer, e você o fez, sem pedir nada em troca. Um amor que não se retribui, apenas se dá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário