25 de outubro de 2012

Dissertações masculinas Part. I

Liah dá seu último gole de Whisky e me olha meio atravessado sentindo a garganta arder. Percebo um medo em seu olhar e mais uma vez ela diz algo que eu não queria ouvir que me leva a querer cada vez mais deixá-la. Como se não bastasse seu vício de álcool e ainda mais as suas paranoias. Amá-la nunca é suficiente? Nunca. Às vezes não sei o que ela quer, noutras sei tão bem quanto ela. Talvez tantas brigas assim lhe dê tesão, eu sinto nojo. Queria que ela apenas não falasse às vezes. Seria pedir muito?
Chego em casa cansado, perdido e sonolento. Ela briga, faz cara feia e quer conversar, eu digo não e ela não entende. E mais uma vez ela diz que me odeia e prefere me ver morto. Talvez eu não a ame como eu pensava antes. Hoje penso diferente. Sei que ela entende e sabe disso. Sei que ela me ama e quer entender porque eu mudo às vezes, eu também não sei. Na verdade sei, mas ela não deve saber. Existem tantas pessoas melhores que ela, eu também sei. Mas não devia pensar nisso. Eu não queria terminar com ela, não agora. Sinto que irei me arrepender arduamente depois, mas ficar perto dela não me comove mais. Seu sorriso é lindo, sua voz também, só que antes eu gostava mais deles. Seu corpo me deu prazer antes, mas hoje, sei lá. Não o quero mais, não a quero agora. E ela não têm que saber porquê. Mas insiste. Pobre Liah, talvez eu a esqueça daqui uns anos, mas seus insultos e mágoas ficarão para sempre comigo, pra que eu não esqueça o quanto eu me divertia com isso. Te ver chorar não me faz bem, mas te ver bufando de raiva e ódio me diverte. Sinto vontade até de aplaudir, belo teatro, belo drama. E os insultos, então? Adoro.
Drama é sua palavra final. Devia ser atriz de novela, ganharia bem. Eu não a odeio por isso, mas me divirto. Perco a paciência às vezes ou quase sempre. Mas dá pra relevar. Não sei por que ela leva as coisas tão ao pé da letra. Mulheres são sempre assim? Meu psicológico intelectual sobre a gnoseologia das mulheres diz que sim. Mas foda-se. Não quero entendê-las.Não quero entender Liah. Foda-se ela também.
Vou ficar aqui deitado, descansando e tendo sonhos eróticos com uma mulher bem mais sexy e loira, e se ela quiser continuar sofrendo por me achar distante, mais longe dela irei ficar. É a lógica masculina poxa! Aprende isso!

Em homenagem à T. L., com amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário