17 de junho de 2012

Shine

Cada pedacinho desse lugar me trazem lembranças, cada sorriso que vejo e olhares que encontro atravessando a rua me lembram como é bom quando temos tudo. Amigos, família, amor. Se perder é fácil, qualquer passo errado e você já esquece porque veio e se ainda faz sentido continuar. A vida é mesmo dura e uma hora é necessário tomar decisões sozinho. Um dia você percebe quão poucos são os que permanecem do seu lado e precisa tirar do coração os que se afastam. 
Eu permaneci neutra e ouvi tudo que um coração já machucado poderia suportar, deixei que me julgassem da maneira que quisessem e esqueci do meu lugar. Me perdi. Palavras são forças que se mal usadas podem levar à destruição. Esqueci de amar e esqueci de viver um amor. Deixei que as pessoas apenas passassem por mim, algumas deixaram tempestades na minha cabeça, outras foram apenas vendavais, enquanto muitas apenas brisaram meu caminho, sem marcas, sem mudanças. 
Perder-se por causa de alguém é o pior dos erros, desistir é uma opção sempre fácil e os mais fracos a dominam bem. Mas decidi continuar mesmo com toda essa fraqueza que me faz tremer as mãos e essa obsessão em acreditar que a qualquer momento o chão se abrirá diante de mim e verei o capeta mais cedo do que imaginava.
Se me perguntarem, estou bem, mas se me olhar nos olhos por mais de 5 segundos chorariam comigo por dias. E as lágrimas, ah, estas venho tentando vertê-las em suor em horas de exercícios. É melhor do que passar horas chorando até que tudo perca o sentido, a tão famosa linha tênue entre ingenuidade e a loucura. Decidi apenas sorrir. 
Pros fortes, fracos, mal-informados ou fodidos, estou sempre sorrindo e pouco me importando pra opinião de vocês. Descobri uma coisa hoje que eu já sabia, mas que pela primeira vez levei à sério: a vida é curta, e enquanto muitos querem tirá-la e outros querem isolar-se atrás de paredes e viverem apenas pra morrer aos poucos e um-dia-de-cada-vez, eu quero apenas me libertar. 
Viver é para poucos, e a maioria só descobre isso quando é tarde demais.

1 de junho de 2012



Você não serve pra mim. E eu sempre me apaixono pelas pessoas erradas.
Estávamos a um passo do melhor da noite e então te olhei nos olhos e disse que você não era bom pra mim e você apenas sorriu e balbuciou um ‘tarde demais’ no meu ouvido e nos beijamos outra vez.
Suas mãos nas minhas coxas e meus cabelos emaranhados, espalhados pelo seu cobertor. Sorrisos e desejos, almas e corpos, perdidos.
Estamos no fim da rua e seu carro acelera mais e mais, te excita me ver assim? Eu estou feliz baby, e quero você. Mas você realmente não é bom pra mim.
E então você aparece na minha porta às 3 da manhã, dois fugitivos perdidos na madrugada e poucas horas nos restam e é um quase fim que começa.
E pra onde iremos? Céu ou inferno? Isso não importa, às vezes somos santos e noutras pecadores, qualquer lugar é perfeito. Então vamos fugir, ainda é cedo pra se entregar ao cansaço, somos tão jovens... 
E eu ainda lembro, era dezembro e eu usava aqueles óculos escuros que te lembravam Marilyn Monroe e você queria arrancar meu jeans azul porque estava calor e nós estávamos de ressaca.
Eu sinto saudade daquele dezembro ainda tão nítido na minha pele, até o gosto do teu beijo e a aquela velha vontade de ficar a vida inteira debaixo do teu corpo e poder encarar teus olhos escuros e o sussurro dos teus lábios a dizer que é tarde demais e que eu estou amando você.