12 de agosto de 2011



Eu choro. E admito. Estou chorando agora e chorarei mais amanhã ou depois. E vivo, e levo a minha vida carregando esse corpo, essa alma, esse coração. Viver não dói, o que dói é amar. Viver de amor dói. Mas o que seria da vida, se não houvesse amor? Não sei filosofar, mas isso me parece uma reflexão. E isso não é apenas uma pergunta retórica.
Eu escrevo. Escrevo sobre medos, perdas, decepções e demasiadamente sobre amor. Não sei porque escrevo. As vezes é uma necessidade. Mas escrever me deixa vulnerável. Eu estou aqui falando de coisas que não consigo dizer a ninguém, estou aqui por que preciso dizer o que me dói. E o que me dói é amar. Ou melhor, a falta de amar. Estou aqui por que metade das coisas e pessoas que passaram por mim, deixaram marcas. E depois eu as perdi. E com elas todo o amor se foi. E sinto falta da importância que cada uma delas tinham na minha vida, então escrevo pra ver a dor passar. Escrevo pra que eu não sinta falta de tudo que perdi. E a dor atravessa esse coração e vem parar aqui. Apenas palavras, nuas e cruas. Quem me ler, não vai entender. Por que só eu sei a intensidade de cada coisa que escrevo aqui.
Mas não preciso ser entendida, não quero respostas, só que quero que passe. Que tudo passe.
O futuro é incerto, mas se eu não agir como quero agora, eu não estarei feliz amanhã. Eu queria deixar de lado esse medo e arriscar, uma última chance de ter de volta o amor. Mas puta que pariu, eu não sei o que tá acontecendo comigo. Eu não quero mais lutar.
Não sei lidar com perdas. E eu perdi, perdi aquilo que me move, perdi o que me leva a querer viver. Mesmo que viver não faça o menor sentido. Eu perdi o amor. Não sei se o deixei escapar ou se fugiu de mim. Não sei. Mas perdi. Ainda sinto doer, mas não é o amor. Agora, que sei que o perdi o que me dói é a certeza de que não o encontrarei mais. Talvez um dia, mas só talvez.
Porque o frio que me corta aqui, cresce. E está ficando cada dia mais fácil viver sem amar. Eu não preciso sofrer, não preciso ir atrás de ninguém, não preciso me apegar, não preciso implorar pra ser amada em troca, não preciso me preocupar, ou pensar em alguém cada segundo da minha vida. Eu sou frieza. E aprendi que a dor nos torna cruéis. E me pergunto outra vez, o que seria da nossas vidas se não houvesse o amor? Bem, eu sei a resposta. Só há ganho se houver dor. Amar dói. Se não há amor, não há ganhos. Então você não perde nem ganha. Você apenas vive.