25 de junho de 2011


Não sou de guardar lágrimas, mas as vezes me pego chorando por algo que já passou. Não guardo sonhos desfeitos, mas não os esqueço. Sempre há uma lembrança, que dói ou que me faz sorrir. Não sou de eternizar pessoas que já não fazem mais parte da minha vida, mas ainda me lembro de todas e do que aprendi com cada uma delas.
Hoje eu não pareço mais tão apta a sorrir e os dias não se compadecem mais à minha frieza. Eu fiz de tudo pra não apagar as lembranças que deixamos no tempo, pra não esquecer. Eu fiz de tudo pra salvar o seu sorriso e jogar fora tudo que me fez mal, a questão é que você me faz mal e eu não posso te jogar fora. Não se trata de um brinquedo, mas eu poderia tirar você da minha vida sim, caso eu tentasse.
Mas não tenho certeza se é isso que eu quero. 
E quando se trata de você, bem, é difícil explicar e inútil tentar entender. Descobri que não há uma explicação plausível pra tudo que vivemos até agora, por isso desisti de tentar me convencer de que somos alguma coisa. Porque por um momento, por uma pequena distração, eu me perdi e me deixei levar. Foi quando percebi que estava cometendo um erro.
Eu te falei de amores recíprocos que sempre dão certo, te falei que quando um ama de mais e o outro de menos, o final nunca é feliz, te falei que se há uma segunda pessoa no caminho, é melhor escolher a segunda, pois se a primeira realmente valesse a pena, não haveria outra opção.
Mas não te falei de amores que começam e acabam, mas que nunca terminam de verdade, que ficam nessa de nunca perder o contato, mas por medo, não seguem em frente, não lutam pelo que querem. Aliás, lutam, mas contra o desejo de ter o outro por perto, lutam por medo da distância que pode possivelmente destruir um relacionamento. Também não te falei que se você realmente não tem uma segunda opção, obviamente a primeira valeu a pena, mas é por essa que você não quer lutar. 
Não te falei que se a distância fosse realmente um problema, nós ainda não estaríamos nessa, aliás não existiria mais um nós. E se ainda temos algo que nos prende tanto assim, que não nos deixa respirar e viver, que nos deixa confusos e nos tira o sono, porque ainda te restam duvidas do que isso pode ser?
Mas se é difícil pra você, tudo bem. É certo que outra pessoa não me ajudará a esquecer um velho amor, mas não ficarei esperando por respostas ou reciprocidades. Não é difícil pra mim, eu tenho outros caminhos, não tão certos quanto o seu, daí a expressão "se vive melhor, se divertindo com os errados", enquanto eu não encontrar o certo outra vez.