7 de abril de 2011


São essas coisas que a ferem. Palavras não ditas, que são guardadas no peito, escondidas, por medo. Não há mais tempo para a espera, não cabe mais no ponteiro do seu relógio, que voa, passivamente, mas voa.
Esta noite, ah, esta noite. Tudo não vai passar de um sonho ruim. Restarão lembranças esta noite, porque ela dançará entre as flores, chorará todas as lágrimas, e sobreviverá.
Esta noite, luzes brilham sobre seu rosto, um tremeluzir de rostos desconhecidos lhe sorriem, e ela retriubui sem saber porque. Apenas por sorrir, convenientemente.
Não há o que fingir, apenas ser. Ela tenta ser, tenta ver além do que há, mas não há mais nada além do já foi. E o que já foi não pode ser de novo.
Mas ela quer que seja. E não não lutará contra isso.
E ainda sente e muito, e isso é imutável.
Ela não sabe o porque de tantas mágoas, nem porque dói tanto relembrar certas coisas. Mas ela não precisa por um fim nisso tudo.
Porque ela não quer um fim irrelevante e imutável.
Ainda há sorrisos pra compartilhar, ainda há vida em cada olhar. Ainda há um nós.
A senhorita que escreve essas tais palavras, sabe bem se iludir, mas sabe que o fim é sempre um recomeço. Mas ela não quer recomeçar.
Ela precisa de um motivo pra ficar. E esse motivo, ela já tem retido em suas mãos.
Ela não sabe se o liberta, ou o guarda só para si.
Seus calmantes já não fazem efeito, as noites estão ficando longas e insistentes, presas à sua indecisão.
Mas ela sabe o que quer. Ela sabe muito bem, e é por isso que dói.
Ainda há algo tão forte quanto sua idecisão, ela também sabe que sua vida corre, rápido demais pra que alguém possa acompanhar.
Esta noite senhorita, não deixe as lembranças. Alimente-as, reviva-as, elas não te farão bem amanhã, mas não custa sentir um pouco mais.

4 comentários:

  1. Que lindo, Caroly! O que você escreve é sempre tocante e muito sincero. beeeeeijos.

    ResponderExcluir
  2. e como você soube da minha história?

    ResponderExcluir
  3. Sempre há o que compartilhar mas a paciência não vem junto com o amor.
    Muitos sentimentos estão acoplados nele, mas a paciência não é artigo de série.

    E ela é tão importante quanto a confiança.

    Quem enxerga a paciência, vê o mundo por todos os angulos possíveis.

    Texto sério mas otimista - o que o deixa gostoso.

    ResponderExcluir
  4. queeeee coisa mais linda hein hein.. já tivemos ou ainda teremos essa parte na nossa história :] adorei

    ResponderExcluir