14 de abril de 2011


Acordei. Mais uma manhã turbulenta de um domingo tão lindo. Levantei ás pressas, me arrumei ás pressas. Cabelo amarrado, cara inchada, a música lenta e calma que eu costumava ouvir todas as manhãs, dera lugar as brigas lá fora. Minha vontade era de permanecer trancada no meu quarto até que tudo isso acabasse.
A noite não progrediu, não dormi. Deixei o som ligado, ouvindo Beatles. Mas não relaxei. Tinha algo errado. Comigo, talvez. Não sei como deixei que as coisas chegassem a esse ponto. Onde está Deus, aquela minha crença de que tudo pode melhorar? Não sei quando, não sei como, mas hoje já não acredito em mais nada. Eu não sei mais acreditar.
Os bons não são a maioria. Perdi essa crença também. Não sei confiar mais nas pessoas, eu era boa nisso. Mas me decepcionei. Não sei amar, eu também era boa nisso. Mas não sou mais. O que houve com aquele amor? Onde o deixei?
Foram tantas decepções, eu já não sei se um dia ele existiu de verdade. Eu não sei quando, eu não sei como, mas hoje eu não sou mais a mesma de antes.
Então eu tenho que sair, eu tenho que ir atrás das coisas importantes. Não posso parar aqui e agora e perguntar o por que tantas mudanças repentinas. Eu tenho que ir lá fora enfrentar meus medos e dizer que hoje, só por hoje eu quero paz.
As lágrimas não cessam. Mas ninguém vai me ver chorar. Respiro fundo, enxugo as lágrimas e finjo um sorriso.
Me perdoe se eu errei. Me perdoe pela pessoa que me tornei. Eu não sei mais onde deixei minha felicidade, e não estou disposta a procurar. Eu cansei.
Mas ninguém jamais me verá chorar.
De volta a minha rotina e hoje eu só me pergunto se ainda sinto falta. A frieza tomou todo o espaço da saudade. Os sentimentos foram sumindo aos poucos. Os bons sentimentos agora são a minoria.
Eu venho tentando acertar desde que descobri que o que eu mais queria, já não me pertence.
Eu venho tentando fazer com que tudo mude, que tudo volte a ser como antes, mas eu não encontrei motivos suficientes para isso.
Nada vai ficar bem. Eu sei. É mais um domingo que passa como um dia qualquer. Sem surpresas, sem defesas, sem amor.

Escrito no dia, 10/04/2011

Um comentário:

  1. oonw flor, se isso for o que realmente está acontecendo com voce, força viu, que tudo muda siim.. como muda! e qlq coisa conta com meu espacinho para se distrair ;]

    ResponderExcluir