21 de março de 2011



Assim nesse emaranhado de vidas, me perco, me dou. Sou amor compartilhado, sou sentimento intensificado, sou essa bagunça mesmo. E nesse sorriso que mal cabe em mim, me espalho e espanto a solidão pra bem longe.
E essa saudade que aqui deixo, é pra nunca esquecer que um dia, assim de verdade, eu amei e me dediquei exclusivamente a um amor. E é essencial esse amor, é mais que um complemento é uma necessidade de quem ama, de quem vive, de quem sonha.
Porque saudade as vezes é bom, é um aconchego pra alma, é a vontade de viver de novo os momentos bons, as conversas soltas e os sorrisos sinceros, é a lembrança bem guardada de alguém que ainda importa muito.
E tudo está tão lindo hoje que resolvi mudar, me desapaixonar dos medos e dos nãos.
É preciso desapegar-se do que nos retém, é preciso apenas desprender-se da solidão e ir além, muito além do que se espera. Ir adiante, porque pés no chão é pra quem se contenta com pouco.
E o pouco não me agrada, é preciso estar sempre em paz com a imaginação e se deixar levar.
Por que a vida é essa 'metamorfose ambulante' e pra voar é preciso ter asas, e não se prender ao casulo. Porque carregar sonhos é facil, difícil mesmo é fazê-los andar.

2 comentários:

  1. Lindo seu post.
    Adorei a sensibilidade do texto, muito lindo.

    KIsses
    Thaty
    PEdaços do Cotidiano

    ResponderExcluir
  2. Estou me encantando com os textos que li hoje. São todos muito parecidos com o conversei hoje com meu namorado. E o seu, sendo o último, me fez ler um ótimo desfecho para o dia. Eu tenho que aprender a não ter medo do amanhã. Tenho que aprender a lutar contra isso e vencer. Se eu quero um futuro, eu preciso passar por cima desse medo. E eu tenho esperança de que isso vai acontecer. Porque, por amor, vamos muito além do que podemos.

    Ainda bem que voltou, querida. Senti falta dos teus escritos.
    Bem vinda de volta.
    Um beijo.

    ResponderExcluir