17 de fevereiro de 2011



"Minha cara, somos jovens, somos raros e diferentes de todo o resto, somos poucos que tem essa força estranha que vem de dentro que nos torna únicos, que nos revoluciona, que nos faz querer mover montanhas, somos loucos." Foi o que me dissestes uma vez. E eu senti que poderia mudar o mundo se eu quisesse, talvez por tua causa, ou porque eu realmente tinha essa força. As vezes me lembro do dia em que te encontrei pela primeira vez, observei teu olhar, o sorriso e até teu jeito de falar, entre tantas coisas, ainda somos muito parecidos, movidos pela distração, sabemos observar tudo que nos cerca e lidamos muito melhor com o que temos de pior e de insensato em nós mesmos, e nada sabemos sobre o amor. Somos capazes de fazer loucuras e de nos perdermos pelo mundo afora sem  hesitar, somos duas pessoas que procuram uma saída, uma válvula de escape nem que seja por alguns segundos só pra nos manter mais fortes e mais seguros de nós mesmos. Nós poderiamos mudar o mundo se quiséssemos. 
Eu fiz do meu quarto, das minhas musicas, um refúgio. As vezes passo dias sem ver o movimento lá fora, faz sentido pra você? Faz tanto tempo, eu já não sei mais se existem estrelas suficientes pra iluminar meu céu a noite. Caminhar por essas ruas cheias de pessoas que eu nem conheço, ou sentar nas mesmas mesas de antes, com as mesmas pessoas de antes mas totalmente diferentes do que ja foram um dia, é muito eventual. Aliás, nem curto eventualidades. Me perdi quando começei a procurar um caminho, então resolvi retroceder. Mas não perdi aquela força estranha, aquela vontade de mover céus, terra e seja lá o que for, pelo que me espera lá fora.
Decidi sair e descobrir o mundo, mesmo sabendo que é tudo tão hipotético e que tudo pode mudar. Mas não sinto medo da mudança, eu mudo todos os dias de manhã, a cada despertar. Sinto medo do que é duvidoso, do que não se pode adivinhar. Mas isso nunca me impediu de correr riscos, como a última vez em que cometi um delito, então eu já não era pra você aquela garota tímida e meio perdida que encotrastes no portão da escola, ou dormindo no meio da aula. Eu era então uma evolução. 
Até tenho essa carinha de anjo e esse sorriso tímido, mas a minha maldade está na mente e essa, ninguém consegue decifrar. E essa evolução meio louca, meio perdida é o que me define, esse coração que sangra, e esse sorriso no rosto pra dizer que estou bem, é o que me mantém ativa, e pra ser sincera, é preciso esconder o que me machuca e estampar esse sorriso no rosto e continuar a vida, sempre.

2 comentários:

  1. Que bom que você não tem medo de mudanças, espero que você descubro um "mundo" novo a cada dia e que seja sempre feliz!

    Texto perfeito"


    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É, guria, precisamos mesmo descobrir o mundo para mudá-lo, flor. Ainda bem que força de vontade e garra tu tens de sobra. Basta começar a revolução própria!
    Um beijão!

    ResponderExcluir