29 de janeiro de 2011

I just don't care

É estranho o fato de não poder mais sentir. É como se toda a parte interna que abrange esse lado esquerdo do peito estivesse congelada. Não sei mentir, quem dera eu olhar nos seus olhos agora e dizer que nada disso é verdade e nada é o que parece. Mas eu não sei olhar nos seus olhos, nem muito menos permanecer perto deles. Então prefiro a distância, mesmo sem querer. É necessário.
Eu não irei te salvar quando você estiver prestes a pegar seu trem, eu não estarei na estação, e nem direi adeus. O que eu preciso é de tempo, porque eu não sei mesmo lidar com questões matemáticas, muito menos quando se trata de subtrair o amor, e acrescentar frieza.
Eu não sei usar minhas armas quando preciso, e parece que sempre estou pronta pra atirar. Não sei ser sedutora, roupas curtas não vão me deixar mais esponânea, aliás, quando se trata de ser alguém, eu mal sei ser eu mesma. O meu sorriso trava, as palavras estancam, e eu fico sempre em marcha ré pronta pra sumir na primeira ocasião em que não me caiba. E sempre que tento parecer eu mesma, surge um eu irreconhecível e me desvia toda a atenção. Eu não sou bipolar, mas nunca sei quando devo sorrir ou chorar, então improviso.
A verdade é que eu não sei lidar muito bem com as pessoas, é sempre assim, principalmente quando se trata de você. Por isso bebo, pra não travar, pra que as palavras saiam sem medo de devoluções, pra ser eu mesma sem medo de parecer excêntrica, egoísta ou algo assim. Temo admitir, mas o meu lado mal se sobressai muito bem após algumas doses. E eu gosto disso, ser boazinha nunca me pareceu a melhor saída. E bancar a vilã sempre foi o meu papel favorito.
E se é pra ser egoísta, aviso logo, meu lado romântico e bonzinho tirou férias por tempo indeterminado, e o palco agora é exclusivamente dos vilões. Ainda que estar perto de você me faça tremer, por ser você, por sua causa, ainda uso um pouco da razão que me resta e afasto pra bem longe qualquer requisição de força maior. E se seu lema é parecer inacessível, o meu é não estar nem aí. E assim, não passarei noites acordada esperando ligações que não vou receber, assim não preciso me preocupar caso você suma por dias, meses ou anos. A minha quota de corações partidos já se esgotou a muito tempo e mentes vazias e corações de gelo não aquecerão minha cama em noites de tempestade.

2 comentários:

  1. PERFEITO! Sério, inexplicável como você falou simplesmente tudo! Ando assim ultimamente, tão aí, que nem aí. Se é que me entende. Acho que não. haha Mas, sério, muito bom o texto! Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que lindo.
    Parabéns.. você escreve muito bem.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir