12 de setembro de 2010

O destino ao nosso favor


Caminhamos sobre as estrelas, deixamos as nuvens nos levar por todo o céu, e quando eu finalmente olhei nos teus olhos, eu vi a luz brilhar, a sua luz que inflamava teu corpo já em chamas, e eu deduzi que era amor. Deixei que as cores invadissem nosso arco-íris, era tanta beleza, que eu só quis ficar ali.
Foram dias de outono, em que as folhas secas voavam com o vento e caiam quando ele cessava, e eu pudia ver da janela seu pequeno contraste ao atingir o chão. Eu senti uma dor inexplicável, era como se eu estivesse prestes a voar e levasse um grande tombo. Foi o que pude ver nos seus olhos quando eu tentei te dizer adeus. Mas você não disse nada. Só ficou parado enquanto eu tentava de alguma maneira criar barreiras entre nós.
Eu sei a dor que sentiu, não foi só porque você me disse depois, eu pude sentir com você essa dor, mesmo acreditando que você nem ao menos se importava. Seus olhos protestaram, mas seus lábios se deixaram calar. E eu vi a pequena lágrima que começou a se formar em seus olhos quando eu olhei pra trás uma última vez.
O outono foi uma estação de dores, e toda folha que caía no chão me arrancava uma lágrima. Resolvi colhê-las e colocar em uma caixa, cada folha seca era uma lembrança daquela noite que eu não esqueceria, jamais.
E por um tempo, você decidiu que ia esquecer, fez outros planos, mudou alguns pontos, realinhou seu destino, saiu da marcha ré e resolveu seguir em frente. Eu fiz o mesmo, acelerei em direção ao futuro que me esperava, sempre em frente, pois nada me pararia agora.
Foi quando seu carro bateu contra o meu, em um fim de tarde, as luzes da cidade já brilhavam pelos corredores, o sol já estava dando seu último adeus, e toda a avenida parou quando meus olhos encontraram os teus mais uma vez. A caixa de folhas secas que deixei no banco de trás se espalhou por toda a avenida, voando com a brisa leve que nos rodeava, espalhando todas as lembranças escondidas, todos os sorrisos guardados, todas as lágrimas impelidas, toda a dor que eu vinha tentando jogar fora.
E mesmo depois de tanta destruição, eu sorri, e você retribuiu.
Foi alí que percebi que mesmo depois de tudo que nos aconteceu, nós fomos feitos um para o outro. Você sempre foi o meu destino, e eu sempre fui o seu. E não importa o tempo, nem as circunstâncias, nem a situação, está escrito nas estrelas, e não pode jamais ser apagado.

3 comentários:

  1. Eu senti uma pitada da novela escrito nas estrelas ai ein?!
    inspirador, e tem mesmo aqueles romances que a gente só de olhar pro rapaz, já sabe...
    É amor!

    ResponderExcluir
  2. Tem certas coisas que não existem explicações. Rodamos o mundo para não mais encontrá-las mas, quando menos esperamos, elas estão à nossa espera.
    O amor tem mesmo dessas coisas...

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Linda história de amor. Um romance bem contado. Só o amor para acontecer certas magias. Beijinhos.

    ResponderExcluir