13 de julho de 2010

Mudanças

Mudanças são inevitáveis, podem construir, e descontruir.
Castelos de areias são feitos pra que venha o vento e a maré para dispersá-los, e depois,
depois são construídos outros bem maiores no lugar, mais resistentes, inabaláveis.
Que nem a maior onda, ou a ventania mais forte consegue destruir.

E tudo começa a fazer sentido quando mudamos,
começamos a enxergar tudo com lentes de aumento,
analisando minuciosamente cada detalhe.
Tudo se esclarece. Tudo tem solução.
Nem todo problema é o fim, nem todo erro é fatal.

Tudo está do jeito que deve estar, nada fora do lugar.
Tudo está se cumprindo exatamente como deve ser.
E os destroços do passado, que um dia fizeram parte de nós,
agora são poeira, que o vento leva, que as ondas apagam,
e novos castelos começam a ser construídos.
Cada vez maiores e mais fortes.

E nós dançamos frente a  lareira, destruindo as incertezas que se alojam nas entrelinhas.
Dando espaço ao som que vem de fora, uma nova música nos espera, um novo começo nos espera lá fora.
Somos bem vindos a vida nova que bate a nossa porta, e com sorrisos largos a receberemos
de braços abertos, e a abrigaremos frente à lareira, e a convidaremos pra dançar.


Carolyne Mota

3 comentários:

  1. Eu só precisaria de um suspiro dessa vida nova, uma brisa que fosse.

    Quantas palavras poderosas.
    Eu adorei esse, por ser abstrato mas ao mesmo tempo se consegue colocar as duas mãos nele.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que mudar é o resultado de muita reflexão e a certeza de que algumas coisas podem evoluir. Quem não muda, estagna e se perde no tempo. Amei o post!

    ResponderExcluir
  3. Seja bem vinda à vida nova e faça bom proveito dela :) rs

    Beijos.

    ResponderExcluir